Na dúvida sinta, ou sinto muito

dúvida

Sou especialista quando o assunto é  dúvida. Mesmo assim eu sinto, e eu sinto muito. Eu me jogo, me atiro do alto e sempre prendo a respiração. Nunca consegui encontrar um meio termo para as minhas explosões sentimentais.

Aquele papo de que os opostos se atraem, bem, não é tão verdade assim. Tudo bem que somos uma versão do outro em sexos diferentes. E temos muitas coisas em comum, mesmo que isso não queira dizer nada.

Me pego pensando, com certa frequência, nos momentos que tivemos nesse pouco tempo em que nos conhecemos. Demos boas risadas, saímos com os amigos, compartilhamos alguns segredos e, raras as vezes, abrimos o coração sobre nossos medos e frustrações mais profundas.

Mas aí começaram os poréns. Não basta conquistar, é preciso manter essa conquista. É preciso cuidado, carinho e atenção. Não estou falando de passos para construir um relacionamento, mas se você me queria por perto, deveria ter feito muito mais.

Costumo dizer que na dúvida, sinta. E eu senti, e senti muito. Te falei em mais de uma ocasião como eu me sentia em relação a você, mas não acho que tenha sido o suficiente. Não para te fazer querer ficar, permanecer e manter a conquista pela qual você me ganhou fácil.

Agora eu sinto muito. Sinto muito enquanto te amo, mas também sinto muito por ter que ir aos poucos. A gente cansa de só quebrar a cara, de tantos amores não correspondidos. Cansa de tantos gostares vazios, que são apenas da boca pra fora.

A gente vai gostando, se apegando e chega uma hora que já não se sabe mais o que sente. Se sente tanto ou quase nada. Mesmo assim, continuo sentindo muito. Sinto por tudo o que poderíamos ter sido e, no fim das contas, não fomos nada.

Facebook Comments